Listamos As SUV Que Você Nunca Deveria Comprar

Cada vez mais requisitados, as SUV representam a categoria que mais cresceu nos últimos anos. No entanto, eles são penalizados no consumo de combustível por serem maiores, mais altos e mais pesados que modelos de outras categorias e mesmo que as SUV tenham conquistado o status de sensação do momento, eles estão por aí há um bom tempo.

Foram vários os modelos que contribuíram para a consagração deste novo movimento no Brasil, mas vale apontar que nem todos foram bem sucedidos em suas empreitadas. Confira agora alguns modelos que é melhor evitar, caso você esteja pensando em entrar nesse segmento.

JAC T5

04
Reprodução/Youtube
Reprodução/Youtube

O SUV da JAC Motors não está convencendo os consumidores brasileiros. Apesar dos traços modernos, o automóvel lembra modelos coreanos antigos, como o Hyundai IX35.A originalidade é problema também na parte interna do carro. A distribuição dos componentes no painel remete à outras montadoras. Entre outros pontos negativos relatados por portais especializados em automóveis estão: utilização de materiais de baixa qualidade e toque rígido, e forte cheiro de plástico.

Considerando que pessoas que buscam um SUV possuem alta renda e podem investir em um automóvel mais caro, pode ser que o valor de revenda também não agrade.

Suzuki Ignis

01
SAJJAD HUSSAIN/AFP via Getty Images
SAJJAD HUSSAIN/AFP via Getty Images

No começo dos anos 2000, quando a Suzuki decidiu vender o Ignis no Brasil, a maior parte dos SUV ainda apostava no design com cara de jipe, mas o modelo era um dos poucos SUV dessa época sem estepe na traseira. O tamanho também chamava a atenção, uma vez que sua carroceria de apenas 3,61 metros de comprimento era menor que a do Fiat Uno.

O pequeno crossover da Suzuki era fabricado em Shizuoka, no Japão, com motor 1.3, de 82 cv aliado a um câmbio manual de cinco marchas. Havia opção de tração nas quatro rodas, reforçando mais ainda as suas características de SUV. O problema é que além de ser importado, não é mais vendido aqui.

Nissan Murano

02
National Motor Museum/Heritage Images/Getty Images
National Motor Museum/Heritage Images/Getty Images

Fuja do luxuoso Nissan Murano, mesmo com todas as suas qualidades. A Nissan é especialista em SUV para o mercado brasileiro, já que muito antes do Kicks – que chegou a ser líder de vendas em março de 2018 – a marca já investiu no Pathfinder e no XTerra. O X-Trail também foi vendido por aqui entre 2005 e 2009, com motor 2.5 e câmbio automático, mas no meio dessa história de sucesso, temos o Nissan Murano.

Ele ainda é vendido na Argentina – cerca de 960 mil pesos – mas por enquanto fuja dele por conta da falta de peças e complicações para fazer seguro.

Ford Explorer

03
Lyn Alweis/The Denver Post via Getty Images
Lyn Alweis/The Denver Post via Getty Images

O Ford Explorer não conseguiu superar o Jeep Cherokee nos anos 90, antes do sucesso estrondoso do EcoSport, e com apenas duas gerações no Brasil, o Explorer não foi um exemplo de sucesso por aqui, especialmente pela falta de informação do público que, ao ver o aviso pedindo cautela por conta do elevado centro de gravidade, associava isso a uma garantia de capotamento.

Fuja dele porque o câmbio automático de quatro velocidades transformava o Explorer em um verdadeiro beberrão, fazendo até 5 km/l na cidade e porque não há qualquer plano de trazer o modelo oficialmente de volta ao Brasil.

Fiat Doblò

05
Divulgação/Fiat
Divulgação/Fiat

Apesar do amplo espaço, o Fiat Doblò registra reclamações frequentes de usuários, além apresentar o típico visual “ame ou odeie”. A Fiat já não sofre tanto com o preconceito que ganhou na época dos 147, mas ainda existem aqueles que preservam o estranho sentimento.

Com baixo desempenho, isolamento acústico ineficiente, acabamento que deixa a desejar e consumo de combustível elevado, fica difícil revender o carrinho. E para piorar suas colunas dianteiras prejudicam a visibilidade. Para piorar, a versão 1.8 Adventure fica com um preço muito alto, chegando a ultrapassar alguns concorrentes, o que leva a turma do odeie, direto para outros braços.

Land Rover Discovery

06
National Motor Museum/Heritage Images/Getty Images
National Motor Museum/Heritage Images/Getty Images

O Land Rover Discovery é o modelo a ser escolhido se você planeja passar algum tempo fora dos roteiros turísticos tradicionais. Seus motores potentes e épica capacidade off-road fazem dele uma ótima opção para explorar longe do asfalto.

É um dos poucos SUV orientados de verdade para off-road que é tão confortável na estrada quanto fora de estrada, e os níveis de luxo que podem ser escolhidos podem ser tão chiques quanto você esperaria dessa marca premium. Ainda assim, altos custos de manutenção e problemas de confiabilidade afetam o Discovery e 11,8% dos proprietários optaram por se despedir dele nos 12 meses seguintes à compra.

Mercedes-Benz GLA

07
Sjoerd van der Wal/Getty Images
Sjoerd van der Wal/Getty Images

O GLA da Mercedes-Benz é um dos crossovers mais distintos do mercado atualmente. Disponível com um motor de quatro cilindros turbo de 2,0 litros, o GLA é dinâmico e o manuseio é preciso, tornando o pequeno crossover muito divertido de dirigir em estradas sinuosas.

Muitos proprietários reclamaram de bancos traseiros apertados, direção excessivamente dura e pouco espaço para carga. No entanto, seu tamanho pequeno o torna muito eficiente e fazendo mais de 14Km por litro na estrada. Os problemas do GLA podem ser suficientes para os proprietários questionarem sua compra, com 8,5% deles, se despedindo do pequeno Benz após menos de um ano.

BMW X1

08
Gerlach Delissen/Corbis via Getty Images
Gerlach Delissen/Corbis via Getty Images

O X1 é o menor crossover da BMW, mas também um dos melhores. O motor turbo de quatro cilindros tem força suficiente para fazer o X1 se mover em um bom ritmo e uma condução precisa o torna um dos crossovers mais divertidos de dirigir.

Como seria de esperar em uma BMW, o X1 é cheio de materiais de alta qualidade e os ajustes e acabamento são de primeira qualidade. No entanto, os motoristas relatam que o carrinho é barulhento na rodovia e o ruído pode ser estridente em estradas irregulares. Isso levou 10,4% dos compradores a decidir que o X1 não era bom o suficiente para permanecer por mais de um ano.

Porsche Cayenne

09
THOMAS KIENZLE/AFP via Getty Images
THOMAS KIENZLE/AFP via Getty Images

O Porsche Cayenne é o SUV full size da marca alemã. Disponível em uma ampla variedade de acabamentos e com vários motores diferentes, geralmente é considerado um dos melhores SUV de luxo do mercado. É também o líder de vendas da Porsche, gerando a renda necessária para a fabricante de carros esportivos continuar construindo modelos tão interessantes como o GT2RS e o 918 Spyder.

Apesar de todas as vantagens, luxo e velocidade, a desvantagem da propriedade de veículos de luxo geralmente é o alto custo das taxas e manutenção. No total, 8,7% dos compradores consideraram nicht sehr gut (não muito boa) sobre sua compra dentro do período de um ano após a compra.

Nissan Rogue Sport

10
SAUL LOEB/AFP via Getty Images
SAUL LOEB/AFP via Getty Images

O Nissan Rogue Sport tem um problema de batismo. Adicionar “Sport” ao nome de qualquer veículo indica desempenho, velocidade, diversão ao dirigir e manuseio preciso. Infelizmente, o Rogue Sport carece de esportividade.

Rogue Comfort seria um nome mais preciso, e é aí que o SUV da Nissan se destaca. O Rogue é espaçoso, confortável e extremamente correto na estrada, mas com apenas 141 cavalos de potência e uma transmissão CVT, é muito lento. Apesar do erro de batismo, o Rogue Sport é uma ótima escolha para um SUV de uso diário. No entanto, 8,1% dos compradores disseram Sayonara ao Nissan em menos de doze meses.

Land Rover Evoque

11
Sjoerd van der Wal/Getty Images
Sjoerd van der Wal/Getty Images

O Evoque é o menor SUV da Land Rover. Foi um grande sucesso quando estreou em 2011, com seu estilo ousado e off-road que combinavam com sua esculpida boa aparência. Apesar de ser movido por um modesto motor de quatro cilindros, o Evoque provou ser incrivelmente capaz no off-road, divertido de dirigir na estrada e vem com um kit de luxo que esconde seu status de carro de entrada.

O pequeno Land Rover pode percorrer quase um metro e meio de água e está equipado com o excelente sistema Terrain Response para percorrer trilhas acidentadas. Os altos custos de manutenção, seguro e questões de confiabilidade contribuíram para 10,9% dos compradores que abandonaram o Evoque após menos de um ano.

Mercedes-Benz G-Wagon

12
Scott Olson/Getty Images
Scott Olson/Getty Images

O G-Class ou G-Wagon é o SUV topo de linha da Mercedes-Benz que rivaliza com qualquer um fabricado pela Land Rover na capacidade de off-road. O grande e bruto G63 AMG geralmente recebe a maioria das manchetes pela sua enorme potência, mas é o G550 que é a estrela off-road e um dos melhores carros de luxo orientados para off-road já construídos.

Com 416 cavalos de potência de um V8 twin-turbo e um preço inicial de US$ 124.000, tem enorme facilidade de drenar tanques de combustível e carteiras ao mesmo tempo. Poder e prestígio têm um preço, e isso pode ter sido demais para os 8,1% dos compradores que se livraram do grande Benz no primeiro ano.

Chevrolet Equinox

13
Bryan Mitchell/Getty Images
Bryan Mitchell/Getty Images

A Equinox anda bombando por aqui nos dias de hoje, mas infelizmente alguns modelos da primeira geração sofreram com problemas bem documentados nas juntas do cabeçote. Provavelmente devido a um projeto inadequado do sistema de arrefecimento do motor, mas o 3.4L V6 da Equinox merece o título de “comedor de juntas de cabeçote”.

A manutenção adequada e o estilo de condução reservado simplesmente não ajudam em nada. O Equinox 2005 é um carro usado arriscado para comprar, e provavelmente o deixará na mão em algum lugar perigoso. Desnecessário dizer que se você decidir se juntar time de proprietários de Equinox 2005, esteja preparado para reconstruir ou trocar seu motor inteiramente.

Dodge Journey

14
Reprodução/Wikipedia
Reprodução/Wikipedia

O Dodge Journey ou Fiat Freemont pode ser um carro bonito, mas os primeiros dois anos do modelo foram atormentados por freios fracos que, em alguns casos, desgastavam depois de menos de 15 mil quilômetros. Eles simplesmente não foram feitos para um veículo do tamanho e peso da Journey.

A maioria das pessoas que se mantiveram com suas Dodge Journeys foi forçada a substituir vários discos de freios e rotores ao longo dos anos. Alguns estão se aproximando do décimo conjunto. Apenas para informação, falamos dos modelos 2009 e 2010. A melhor opção é optar por freios e rotores de outras marcas.

Honda CR-V

15
National Motor Museum/Heritage Images via Getty Images
National Motor Museum/Heritage Images via Getty Images

Se você vir um Honda CR-V 2015 à venda a um preço bem barato, não compre antes de se informar. Há algo de errado com um dos crossovers mais populares nos EUA. Muitos proprietários de CR-V relataram vibrações provenientes do motor e da transmissão. Interessante dizer que eles os experimentaram logo após a entrega, o que pode significar apenas uma coisa – é um defeito de fábrica. Até vários pilotos de teste enfrentaram o problema ao revisar o carro.

O Honda CR-V 2015 treme violentamente enquanto em marcha lenta e não são apenas o câmbio e o volante, mas também surgem vibrações no painel e nos pedais. Aparentemente, a Honda encontrou uma solução, mas consideram que são obrigados a informar os proprietários disso.

Jeep Cherokee

16
Joe Raedle/Getty Images
Joe Raedle/Getty Images

Ultimamente, o menor dos dois Cherokees está enfrentando alguns problemas na transmissão ZF de 9 velocidades que simplesmente não segue os padrões de qualidade habituais da ZF. Alguns problemas relacionados à transmissão vêm causando dores de cabeça aos proprietários do Jeep Cherokee 2014/2015. Em tempo, esse é o primeiro veículo equipado com a transmissão ZF de 9 velocidades, portanto, provavelmente estão usando o SUV como uma espécie de plataforma de testes.

Se você tem um Jeep Cherokee usado na mira, pense primeiro se você se sentiria confortável sendo a cobaia deles. Ah, e o mesmo vale para o compacto Jeep Renegade.

Kia Sorento

17
Mustafa Sevgi/Anadolu Agency/Getty Images
Mustafa Sevgi/Anadolu Agency/Getty Images

O principal problema de Sorento de 2012 a 2014 está relacionado ao arrefecimento do motor. Muitos proprietários da segunda geração do Kia Sorento aprenderam da maneira mais difícil. Eles ficaram perplexos com o fato de o carro simplesmente queimar óleo, mesmo que o trocassem regularmente.

Realmente não importa se é um de 4 cilindros ou um V6, os motores de Sorento são propensos a falhas catastróficas. Se você está pensando em comprar um usado é melhor evitar os anos modelo 2012 até 2014. A substituição do motor não é algo que você deseja, não é?

Toyota RAV4

18
Patrick Pleul/picture alliance via Getty Images
Patrick Pleul/picture alliance via Getty Images

Polêmica! Os Toyotas são normalmente alguns dos carros mais confiáveis, assim como o Crossover / SUV mais vendido, o RAV4. No entanto, se houver anos/modelo a serem evitados ao comprar um RAV4 usado, esses seriam os de 2006, 2007 e 2008. Problema? Consumo excessivo de óleo.

Obviamente, a Toyota lhe dirá que não é nada sério ou mesmo comportamento normal, mas queimar mais de um litro de óleo a cada 1.500 quilômetros não pode ser normal. Isso pode ser causado por anéis de pistão com defeito, mas a única coisa que a Toyota fez até agora foi emitir um TSB para suas concessionárias, o que não significa que seu veículo será coberto pela garantia total.

Nissan Pathfinder

19
National Motor Museum/Heritage Images/Getty Images
National Motor Museum/Heritage Images/Getty Images

O Nissan Pathfinder sempre foi um dos veículos mais competitivos em seu segmento. No entanto, os SUV da terceira geração, de 2005 a 2008, foram atormentados por vazamentos de fuido de radiador. Compre um Pathfinder usado, do modelo de 2005 a 2008, e junte-se ao exército de proprietários da Nissan que enfrentam esse problema. O projeto defeituoso do radiador que rompe e deixa vazar o líquido de refrigeração é o culpado. Quando o líquido de refrigeração se mistura com o fluido de transmissão, ele desencadeia um processo irreversível de erosão da transmissão.

Se você der sorte, o proprietários anterior provavelmente já reconstruíram a transmissão. Caso contrário, é melhor ficar longe do Pathfinder.