A verdade por trás da cultura Viking

Antigos marinheiros nórdicos que eram desumanamente grandes, brutais e matavam tudo em seu caminho: esses eram os Vikings. Pelo menos, é isso que a cultura popular quer que acreditemos. Na realidade, os Vikings não eram os bárbaros que os rotulamos. Eles eram um grupo de pessoas muito inteligentes, civilizadas e trabalhadoras. Sua cultura e sistema de crenças únicos foram mal compreendidos por outras culturas, o que ajudou a contribuir para uma falsa reputação que ainda hoje é mantida. Continue lendo para aprender sobre a realidade do modo de vida Viking. Você descobrirá o que é realmente verdade e o que é apenas lenda.

A mitologia Viking ainda desempenha um papel importante em nosso cotidiano.

Os Vikings se preocupavam com a higiene pessoal

vikingscomb-40015-47043
Twitter
Twitter

Diferente do que muitas pessoas presumem, os Vikings não eram sujos, fedorentos e descuidados. Na realidade, embora sejam conhecidos pelas barbas espessas e cabelos longos, eles se preocupavam muito com a higiene pessoal.

Muitas ferramentas e equipamentos diferentes de cuidados pessoais foram descobertos e eram usados tanto pelos homens quanto pelas mulheres Vikings. Isso inclui coisas como pentes, lâminas de barbear e até mesmo cotonetes. Além disso, eles faziam seu próprio sabão com castanha.

Eles nunca usaram capacetes com chifres

hornedhelmets-53571-74766
Photo: Fine Art Images/Heritage Images/Getty Images
Photo: Fine Art Images/Heritage Images/Getty Images

Um dos maiores equívocos é pensar que os Vikings usavam capacetes com chifres durante as batalhas. Já foi provado que isso é completamente falso. Se eles usavam capacetes em combate, certamente esses acessórios não tinham chifres. Documentos históricos mostram que eles utilizavam elmos de ferro sem chifres, e armas refinadas, como espadas, machados, e lanças.

A ideia por trás dos capacetes com chifres veio da era vitoriana para romantizar a imagem dos Vikings. Eles foram descritos usando esses capacetes de aparência assustadora para que parecessem selvagens e horripilantes.

Os dias da semana receberam o nome dos deuses Vikings

norsegods-72699-10648
Photo: DeAgostini/Getty Images
Photo: DeAgostini/Getty Images

Desconhecido para muitas pessoas, os deuses nórdicos adorados pelos Vikings fazem parte de nossa vida cotidiana. Na língua inglesa, os dias da semana são, na verdade, referências aos nomes de deuses específicos. O grande deus corvo Odin, também conhecido como Woden, agora é Wednesday (quarta-feira, em português), o que significa literalmente o Dia de Woden. As terças e sextas-feiras têm o nome de Tyr e Frigg, o deus e deusa da guerra e do casamento.

O mais famoso, é Thor, o deus do trovão e da força, para Thursday (quinta-feira, em português). Embora grande parte da cultura Viking possa estar perdida, é interessante que algo tão fundamental como os dias da nossa semana moderna possa ser diretamente ligado ao seu sistema de crenças.

Colombo foi realmente o primeiro europeu a chegar às Américas?

Os Vikings não eram tão gigantes quanto são retratados

vikingssize-10736-30517
Universal History Archive/UIG via Getty Images
Universal History Archive/UIG via Getty Images

Os Vikings são comumente descritos como homens gigantes e musculosos com a capacidade de matar seus inimigos com um golpe de machado, no entanto, isso é um exagero. Eles não se pareciam com Rollo do programa da History Channel “Vikings” ou Chris Hemsworth em “Thor”. Eles tinham cerca de 1,73m e eram mais magros do que corpulentos.

Devido às curtas temporadas de verão no extremo norte, o cultivo era difícil e os recursos escassos. Com fontes limitadas, muitos dos povos escandinavos eram bem menores do que comumente retratados. Muito parecido com os capacetes com chifres, a descrição dos Vikings como sendo pessoas grandes foi uma maneira de fazê-los parecer muito mais assustadores do que realmente eram e pintá-los como quase desumanos.

A vida após a morte Viking

valhalla-62347-88313
DEA / G. DAGLI ORTI/De Agostini/Getty Images
DEA / G. DAGLI ORTI/De Agostini/Getty Images

Embora muitas religiões modernas acreditem em alguma forma de céu e inferno, os Vikings tinham uma visão totalmente diferente da vida após a morte. Eles pensavam que a maneira como você vivia ditaria para qual dos vários reinos da vida após a morte você iria quando morresse. Para os Vikings, o melhor lugar que você poderia esperar era Valhalla.

Este lugar era reservado para guerreiros que lutavam e morriam bravamente na batalha. Em seguida vinha Helgafjell, outro lugar para pessoas admiráveis que viveram uma vida plena. Hellheim, por outro lado, era um lugar para pessoas desonrosas que não morriam bem, isso poderia até significar morrer confortavelmente de velhice.

Os Vikings alcançaram a América do Norte antes de Colombo

vikingsnorthamerica-66811-84397
Photo: Universal History Archive/UIG via Getty Images
Photo: Universal History Archive/UIG via Getty Images

Quase 500 anos antes de Cristóvão Colombo navegar no oceano azul, o primeiro grupo europeu a pisar na América do Norte foi um de vikings liderado por Leif Eriksson. O próprio pai de Lief Eriksson, Erik, o Vermelho, foi um viajante famoso antes de seu filho, estabelecendo o primeiro assentamento europeu na Groenlândia. Supostamente, Erik, o Vermelho, também navegou da Islândia para o Canadá e incentivou seu filho Leif a explorar novas terras.

Isso levou Leif eventualmente a descobrir a América do Norte, embora ele não fizesse nenhum movimento para dominar a terra ou atacar os nativos americanos. Para a maior parte, a descoberta da América do Norte pelos Vikings permaneceu desconhecida muito depois que Cristóvão Colombo assumiu o crédito como o primeiro europeu.

Os Vikings tinham um sistema de justiça semelhante ao nosso, mas ao mesmo tempo, único.

Vikings preferiam ter cabelos loiros

goldenhair-57988-96453
Pinterest
Pinterest

Há quem acredite que todos os Vikings eram todos loiros e de olhos azuis. Isso não é verdade, mas, por alguma razão, os Vikings preferiam a aparência de cabelo loiro e até baseavam sua definição de beleza em tê-lo.

Então, quem nascia com o cabelo escuro criava um processo para conseguir a cor tão desejada. Eles usavam um sabonete forte com alto concentrado de soda cáustica para descolorir o cabelo. Ocasionalmente, alguns homens Vikings até mesmo branqueariam suas barbas para ter o máximo possível de loiro visível.

Mulheres Viking tinham direitos básicos

vikingwomen-39610-83159
Photo: History Channel
Photo: History Channel

Embora as mulheres Vikings não fossem tratadas iguais aos homens, elas certamente tinham mais direitos do que algumas outras mulheres ao redor do mundo. Embora muitas vezes se casassem por volta dos 12 anos e tivessem que cumprir deveres maternais e de esposa, elas tinham alguns direitos e liberdades básicos. Isso incluía o direito de herdar propriedade, pedir o divórcio e até mesmo reivindicar acordos se o casamento fracassasse.

Embora os homens Vikings fossem os “homens da casa”, as mulheres controlavam toda a esfera doméstica. Quando o marido morria, ela herdava todas as responsabilidades e funções que antes eram de seu marido. Embora não fosse tão comum, também existem histórias e lendas de mulheres guerreiras, conhecidas como “escudeiras”, que lutaram ao lado de homens vikings.

Os Vikings podem não ter tatuagens

vikingtattoos-80857-99094
Pinterest
Pinterest

Provou-se que a tatuagem existia muito antes dos Vikings, mas isso não significa necessariamente que eles tinham tatuagens. Embora as pessoas hoje demonstrem sua herança Viking fazendo tatuagens “tradicionais” da cultura, ainda não está claro se os Vikings reais tinham essas tatuagens ou se são apenas símbolos nórdicos antigos.

Embora na televisão e nos filmes os Vikings sejam frequentemente retratados cobertos por tatuagens, ainda não há evidências físicas de que eles praticavam essa arte. Além disso, considerando que os Vikings se orgulhavam de sua limpeza e eram até um pouco obsessivos com isso, pode parecer provável que eles não quisessem cobrir a pele com marcas permanentes.

Os Vikings tinham um sistema de justiça único

justicesystem-63719-58218
History Channel
History Channel

Ao contrário da crença popular, os Vikings não resolviam as coisas por conta própria. Na verdade, eles tinham um sistema de justiça estabelecido para resolver quaisquer disputas ou crimes que surgissem. A cultura nórdica conhecia esse sistema como “Althing”, traduzido como “The Thing”. Regularmente, “The Thing” era realizado e um orador da lei ouvia as disputas das pessoas. Eles então resolveriam essas disputas por meios pacíficos, geralmente feitos com a ajuda de uma terceira pessoa, muito parecido com o nosso sistema judicial hoje. No entanto, em alguns casos, a justiça foi decidida por meio de violência e execução ocasional.

É fácil esquecer que os Vikings eram mais do que apenas invasores.

Os Vikings tinham um método interessante para iniciar seus incêndios

vikingfire-66149-23895
CARL DE SOUZA/AFP/Getty Images
CARL DE SOUZA/AFP/Getty Images

Embora na maior parte dos casos os Vikings se preocupassem muito com sua higiene e limpeza, eles pareciam colocar tudo isso de lado quando se tratava de acender fogueiras. Isso porque eles colhiam fungos das cascas das árvores e ferviam por vários dias na urina humana antes de jogá-lo em algo similar a um feltro, que era fácil de transportar e durável.

Eles descobriram que o nitrato de sódio na urina permitiria que o material fumegasse e não apenas queimasse, permitindo-lhes viajar por grandes distâncias e iniciar um novo fogo em movimento. Não é a primeira coisa que vem à mente ao iniciar um incêndio, mas os Vikings descobriram.

Eles enterraram seus mortos em barcos

vikingburial-79348-64805
Photo: Universal History Archive/UIG via Getty Images
Photo: Universal History Archive/UIG via Getty Images

Considerando que a maior parte da vida dos Vikings girava em torno do oceano, fosse ele navegando, invadindo ou pescando, era apropriado que seus enterros envolvessem um barco. Na religião nórdica, acreditava-se que os grandes guerreiros precisariam de um navio para atravessar para a vida após a morte e chegar ao Valhalla. Assim, Vikings proeminentes e mulheres excepcionais teriam a honra de serem enterrados em um navio Viking tradicional.

Junto com o corpo, o navio estaria cheio de armas, alimentos, tesouros e qualquer outra coisa que eles precisassem na vida após a morte. Em algumas ocasiões, escravos eram até sacrificados e colocados no barco também para servir a seus senhores na vida após a morte.

Os Vikings passam mais tempo cultivando do que atacando

9
Photo: Wolfgang Kaehler/LightRocket via Getty Images
Photo: Wolfgang Kaehler/LightRocket via Getty Images

Os Vikings podem ser mais lembrados por sua reputação de guerreiros ferozes e invasores implacáveis, mas essa não era sua profissão em tempo integral. Eles não seriam capazes de estabelecer uma sociedade tão complexa se estivessem sempre navegando em busca de um tesouro e em luta. Na maior parte, os Vikings passavam muito mais tempo cultivando e mantendo seus assentamentos do que qualquer outra coisa.

Alguns dos Vikings mais famosos da história, como Ragnar Lothbrok, começaram como fazendeiros em tempo integral até chegarem a uma posição de poder. Na cultura Viking, ser fazendeiro era uma posição respeitada na comunidade, embora muitos dos homens também atuassem como invasores quando preciso.

Veja por qual motivo os Vikings podem fazer você desistir de tomar sopa de cebola novamente.

Os Vikings não eram um grupo unificado

unifiedpeople-33941-50073
Photo: Birgit Ryningen/VW Pics/UIG via Getty Images
Photo: Birgit Ryningen/VW Pics/UIG via Getty Images

Embora os assentamentos Vikings fossem comunidades de pessoas unificadas, provavelmente, muitas das pessoas que viviam na área nem mesmo se consideravam Vikings. O termo Viking simplesmente se refere a todos os escandinavos que já estiveram envolvidos em expedições ao exterior, basicamente agrupando-os em uma categoria.

No entanto, durante o auge da cultura Viking, o que agora é a Noruega, a Dinamarca e a Suécia era uma terra dividida em tribos que estavam constantemente em guerra umas com as outras. Portanto, raramente elas atacariam juntas, uma vez que não gostavam de cooperar uma com a outra.

Os Vikings eram esquiadores ávidos

vikinskiing-50307-77290
Photo: Knud Birchslegs
Photo: Knud Birchslegs

Na Península Escandinava, as primeiras evidências de esqui datam de quase 6.000 anos atrás. Durante a Era Viking, o esqui era um meio de transporte no inverno, quando a maior parte da terra estava coberta de neve e gelo. No entanto, foi descoberto mais tarde que os vikings podem não ter usado o esqui estritamente para transporte, mas também para recreação.

Na mitologia nórdica, existe até um deus para esquiar chamado Ullr. Foi assumido que o esqui também era usado na guerra como um meio de explorar a selva e como uma forma de mover vastos exércitos em terrenos que de outra forma seriam intransponíveis.

Os Vikings estavam envolvidos no comércio de escravos

slavetrade-95060-59467
The Print Collector/Print Collector/Getty Images
The Print Collector/Print Collector/Getty Images

Os Vikings normalmente adquiriam escravos em suas expedições de invasão à Europa Oriental e às Ilhas Britânicas. Por outro lado, tornar-se escravo também era uma punição na sociedade Viking como forma de justiça. O comércio de escravos era uma das negociações mais importantes entre os Vikings e era incrivelmente lucrativo. Os escravos eram trocados por mercadorias ou outros escravos, dependendo das necessidades dos Vikings.

Eles usavam os escravos para ajudá-los a cuidar de suas fazendas, no trabalho doméstico ou em uma variedade de outras necessidades na comunidade. Eles eram essencialmente tratados como gado, viviam sem direitos e estavam à vontade de seus donos. No entanto, os escravos também poderiam ser libertados por seus donos se conquistassem sua liberdade, ou outros poderiam comprá-la.

Eles usaram sopa de cebola para avaliar a gravidade dos ferimentos

onionsoup-69653-24754
Carlos Osorio/Toronto Star via Getty Images
Carlos Osorio/Toronto Star via Getty Images

Embora um pouco nojento, os vikings que voltavam da batalha com feridas abdominais eram alimentados com uma sopa de cebola muito potente junto com outras especiarias. Depois de alguns minutos, alguém viria cheirar suas feridas. Se essa pessoa pudesse sentir o cheiro de cebola de dentro da ferida, isso significava que havia graves lesões abdominais.

Normalmente, isso significava que o estômago havia sido cortado e que a morte era, portanto, inevitável. Mesmo hoje, ainda há uma pequena chance de sobreviver a uma ferida dessa natureza, então, nos dias dos Vikings, não havia como alguém sobreviver.

Aprenda como os Vikings inspiraram “O Senhor dos Anéis”.

Os Vikings ajudaram a inspirar o nome do Bluetooth

bluetooth-19996-45337
Photo: Jaap Arriens/NurPhoto via Getty Images
Photo: Jaap Arriens/NurPhoto via Getty Images

Harald Bluetooth foi um lendário rei Viking da Dinamarca e da Noruega. Durante seu reinado, ele conseguiu unir muitas das tribos Viking ao redor e criar uma infraestrutura extremamente elaborada e estável para todos eles coexistirem. Então, quando Jim Kardach, o fundador do Bluetooth estava dando o nome de sua invenção, ele a nomeou de Bluetooth.

Ele sentiu que era apropriado batizá-lo com seu nome na esperança de aproximar as pessoas, como o Bluetooth fazia. Além disso, você já se perguntou qual é o símbolo do Bluetooth? O símbolo é uma mistura das runas nórdicas para “B” e “H”, as iniciais de Harald Bluetooth. Se ao menos King Bluetooth soubesse que suas ações como um antigo rei repercutiriam muito em nossa sociedade moderna.

Eles abandonavam crianças fracas

weakchildren-63396-48871
PHAS/UIG via Getty Images
PHAS/UIG via Getty Images

Assim como os espartanos da Grécia, força e saúde eram qualidades necessárias para as crianças Viking. Se uma criança nascesse doente e fraca, incapaz de lutar ou contribuir para a sociedade, ela era considerada um fardo e inútil. Como forma de economizar recursos e seu próprio tempo, essas crianças eram abandonadas na floresta ou jogadas no oceano.

A vida viking era difícil, então não havia espaço para mimar uma criança. Apenas cerca de 80% das crianças vikings viviam até os cinco anos de idade e, nessa época, esperava-se que trabalhassem, aprendessem a lutar e contribuíssem como qualquer outra pessoa.

A cultura viking inspirou a trilogia de O Senhor dos Anéis

lotr-46758-88943
Werner Forman/Universal Images Group/Getty Images
Werner Forman/Universal Images Group/Getty Images

Acredite ou não, a mitologia Viking ajudou a inspirar o autor J.R.R. A icônica trilogia de fantasia de Tolkien, “O Senhor dos Anéis”. Na mitologia Viking, há a história do Anel de Andvari, que é uma lenda nórdica de um anel que amaldiçoa qualquer homem que o use.

Se isso não for convincente o suficiente, a lenda se passa em um universo que atende pelo nome de Midgard, que significa “Middle-Earth”. Embora nem tudo nos romances de Tolkien tenha sido baseado em lendas nórdicas, está claro que ele foi inicialmente inspirado por uma história contada pelos nórdicos há milhares de anos.